Segundo dados recentes divulgados por um estudo nos EUA mostram e revelam um crescimento impressionante no comércio electrónico, com a receita online a crescer 1,5% do total de vendas por cada ano. Este facto, reforça o crescimento do e-commerce em todo o mundo mas também o potencial que têm para marcas e consumidores.

Vendas globais de retalho ecommerce

Vendas globais de retalho ecommerce

Legenda: Crescimento de vendas de retalho no canal online

Fonte: statista.com

Como os gigantes do retalho e as lojas tradicionais, que continuam a cortar nos custos ou em muitos casos, a fechar portas, é impossível perguntar como será o futuro do comércio electrónico. Casos como a Toys R Us, um gigante no mercado que de um momento para o outro, entrou em desgraça, está claro que o comércio digital está a causar um grande impacto no mercado e nas empresas que ainda não vêm o online como estratégia integrada de marketing nos seus negócios e marcas.

Desta forma, quais são as próximas fases de crescimento no comércio online? Os desenvolvimentos na área que ajudaram a tornar 2017 um ano tão marcante na trajetória da indústria podem ser um indicador e desta forma, ficam várias previsões e ideias sobre o caminho do e-commerce.

1 – Um mercado internacional cada vez maior

Muitos empresários e negócios podem estar preocupados apenas em alcançar consumidores locais, mas temos de considerar o inevitável: crescimento do mercado internacional de comércio electrónico. De acordo com a Nielsen, 57% dos consumidores inquiridos num estudo,  fizeram compras no exterior (lojas online) nos últimos seis meses, o que revela o crescimento desta área.

Os consumidores não têm problemas em comprar em sites estrangeiros, na qual os vários tipos de pagamento internacionais e as soluções de entrega exequíveis e de qualidade máxima, dão uma nova confiança ao consumidor.

Vender para um mercado internacional pode parecer algo muito complicado e, de fato, pode ser esmagador se o negócio não ter uma plataforma certa ou as ferramentas disponíveis. As calculadoras e integrações de envio também facilitam o envio de produtos internacionalmente e a contabilização das taxas e impostos, sem agredir a sua margem de lucro.

Apostar em sites com várias línguas será fundamental, assim como apostar em qualquer moeda, portanto, independentemente de onde seus clientes estiverem, a sua loja online fornecerá uma experiência positiva ao cliente.

Mapa global de Ecommerce

Fonte: CB Insights

2. Os Gigantes dominam mas há espaço para novos players

A Amazon deverá representar metade de todas as vendas de comércio electrónico nos Estados Unidos até 2021, uma estatística bastante preocupante para os pequenos players. Os comerciantes que usam a Amazon como canal de venda, contabilizaram uma faturação de 11,98 bilhões de dólares na Amazon, apenas no primeiro trimestre de 2017, sinalizando o poder que as marcas e comerciantes têm de aproveitar a plataforma.

O Walmart também intensamente promove a sua própria plataforma de mercado para vendedores, e espera-se que mais gigantes do mercado embarquem neste conceito, para atrair empresas e marcas pequenas nos próximos meses e anos.

No entanto, no mercado atual, existe espaço para novas ideias, novos segmentos e como isso, novos produtos e serviços. Aposte na diferenciação, em nichos de mercado e nas tendências do mercado e nunca esqueça que o cliente é o mais importante.

3. O poder da personalização

A Personalização de marketing é uma via de mão dupla. Os comerciantes e os negócios devem ter a capacidade de reunir mais dados sobre os seus clientes e clientes em potencial para a marca. Enquanto isso, a personalização tornou-se uma expectativa do consumidor moderno.

Experiências de compras personalizadas baseadas em dados demográficos, comportamento de compra anterior e histórico de navegação são alguns aspectos que se deve ter sempre em conta.

A personalização é fácil se têm acesso aos dados corretos dos seus clientes. Descobrir tudo sobre eles leva tempo mas existem plataformas que se tornam essenciais para o sucesso do comércio eletrônico e que ajudam a conhecer e a personalizar cada cliente. E uma plataforma de personalização em tempo real que combina análise comportamental com os dados dos clientes permite uma interação com cada pessoa que visita a loja, para que se possa oferecer uma experiência verdadeiramente personalizada e individualizada. Desta forma, é possível recomendar automaticamente personalizadas de conteúdo e produtos, usar testes A/B para otimizar taxas de conversão, reduzir o abandono do carrinho de compras e melhorar a fidelidade do cliente.

4. Conversar com as marcas através dos chatbots

De acordo com dados da eMarketer, mais de metade dos utilizadores de social media preferem usar aplicativos de mensagens para se conectarem e conversarem com as marcas, em vez de usar e-mail, telefone ou o tradicional contacto direto com o representante da marca.

O chatbot, que é capaz de alcançar clientes e responder em tempo real, permite personalizar a sua experiência de compra com base em suas respostas obtidas com cada utilizador.

Além disso, os chatbots podem interagir com os consumidores, sem exigir que eles instalem um aplicativo nativo. Os chatbots integram-se com plataformas como o Skype, o Kik e o Facebook Messenger.

Embora os chatbots façam um bom trabalho, a pesquisa mostra que 35% dos consumidores querem mais chatbots, mas falta um elemento-chave. E esse elemento é a capacidade de empatia. É por isso que é importante ter um representante humano de atendimento ao cliente. Em alguns casos, o contacto direto acaba por ser fundamental em alguns tipos de negócio.

Mesmo assim, os millennials referem que estão dispostos a gastar 618 dólares, em média, através de um chatbot, sendo um incrível fluxo de receita para os proprietários de lojas de comércio eletrônico.

Se a ideia de criar um chatbot no site de e-commerce parecer assustadora, existem várias aplicações que fazem este trabalho, que ajuda construir e aprender à medida que avança e que são grátis.

5. Maior proteção contra as fraudes

Os vendedores perdem bilhões de euros, anualmente em fraudes, sinalizando a necessidade de os comerciantes de se protegerem, a si e aos seus clientes. Com a segurança na mente dos consumidores em geral, é de esperar um maior ênfase na segurança de serviços especializados. Embora já existam maneiras de os comerciantes evitarem fraudes, espera-se que a segurança torne-se uma prioridade muito maior nos próximos anos.

O relatório de benchmark de fraudes online da CyberSource de 2017,  mostrou que 58% dos comerciantes pesquisados ​​consideram o serviço de verificação de endereço como uma das três ferramentas mais eficazes para prevenção de fraudes. Outros serviços considerados úteis foram os números de verificação do cartão e a impressão digital do dispositivo. Apenas 25% dos comerciantes consideraram as autenticações por telefone como um factor entre as ferramentas mais eficazes.

Cerca de 62% dos comerciantes chamaram a taxa de chargeback o indicador de desempenho chave mais importante. A revisão manual também foi considerada útil para evitar fraudes, mas pode ser dispendiosa.

Felizmente para as empresas, existe uma solução que ajuda na prevenção de fraudes e no controlo de danos. Estas soluções permitem reunir todas as fontes de dados, o que permite detectar fraudes antes que elas ocorram e que podem assumir o controlo depois que a transação fraudulenta acontecer.

Fraude no Ecommerce

Fraude no Ecommerce

Fonte: Payment Cards e Mobile

Em suma, nos próximos anos, veremos cada vez mais empresas, marcas e comerciantes a expandir para fora dos seus países de origem, para fornecer mercado mais global. Será mais fácil criar reconhecimento da marca e atrair novos clientes por meio de uma variedade de mercados, proporcionando uma experiência de compra personalizada.

O e-commerce é uma área em que crescimento e neste sentido, a evolução será constante.

Fontes para o artigo:

https://www.entrepreneur.com/article/316140

Fontes:

https://www.paymentscardsandmobile.com/consumers-want-additional-security-prevent-e-commerce-fraud/

https://www.cbinsights.com/research/top-ecommerce-startups-global-map/