A rúbrica das entrevistas, tem como objectivo conhecer profissionais na área de marketing digital e de eccommerce, as suas motivações, opiniões e de que forma veem a área do marketing digital e do ecommerce em Portugal e no mundo.
O convidado de hoje é Nuno Duarte, que trocou a Engenharia pela o Marketing Digital e que cada vez mais, se sente apaixonado pela a área.

Nuno Duarte Gadgets & Go Store

Olá Nuno! Em primeiro lugar, agradecemos a tua disponibilidade para iniciar a nossa nova rubrica “Entrevistas e Testemunhos”. Em primeiro lugar, como surgiu o gosto pelo o marketing digital?

Acho que o bichinho do marketing sempre esteve dentro de mim. Lembro-me de ser miúdo e ficar fascinado com os anúncios da Nike e via aquilo vezes sem conta e estava sempre morto que saísse mais um.
No entanto essa paixão esteve adormecida até relativamente pouco tempo. Licenciei-me em Engenharia Civil e a verdade é que nunca quis ser Engenheiro e foi nesse momento que encontrei o Marketing Digital. Comecei a ler alguns artigos e a acompanhar alguns sites de referência e decidi tirar uma formação nesta área.
Sempre gostei da componente criativa e analítica e no Marketing Digital consigo juntar os dois mundos.

E o e-commerce?


O E-commerce aparece em sequencia do curso de Marketing Digital e da minha experiência no retalho mais concretamente no AKI.

O que te levou a abraçar esta área?
Quando trabalhei no AKI, apaixonei-me completamente pelo mundo do retalho, tive a oportunidade de passar por todas as áreas de negócio do AKI, e o e-commerce para além de ser um excelente complemento ao curso do Marketing Digital, permitiu-me também transpor muito do que é o retalho offline para o digital.
A análise de dados, a complexidade da jornada do consumidor, a interpretação de comportamentos, e a procura incessante por uma melhoria continua na experiência online são alguns dos pontos que me desafiam diariamente nesta área.

Olhando para atrás, sentes que estás mais motivado?
Sem dúvida, para além de estar constantemente em aprendizagem, há cada vez mais uma predisposição para o online. Os Portugueses começam a confiar cada vez mais nas marcas para adquirem compras ou serviços online e isso motiva quem trabalha na área para continuar a fazer mais e melhor.

De que forma as dificuldades ajudam no teu processo de evolução?
Conforme disse, trabalhar nesta área implica estar em constante aprendizagem e por vezes temos de ser autodidatas e procurar a solução por nós mesmos, ver vídeos, ler muito, falar com especialistas e pessoas da área e isso faz-nos evoluir, permite-nos conhecer novas estratégias, novos métodos e novas maneiras de pensar.

Atualmente, quais são os projetos que estás a desenvolver?
Atualmente tenho dois grandes projetos em mãos, um deles chama-se Gadgets & Go Store e é o meu primeiro negócio online.
A Gadgets & Go Store é uma loja onde podemos encontrar toda a tecnologia que nos acompanha no dia a dia, desde mochilas, a power banks, incluindo auriculares, auscultadores e smart watches.
 Assentamos todo o negócio online numa politica de “Customer Obsession”, temos um apoio ao cliente 24/7, sistema de devoluções simples e práticas, garantia de satisfação e portes gratuitos e queremos transmitir confiança e acima de tudo estar próximo do nosso cliente.
Para além da Gadgets & Go Store, estou também a trabalhar na criação da Mais Digital. A Mais Digital é uma marca multidisciplinar com know how em Marketing Digital e Especializada em Comércio Online. O Objetivo da Mais Digital, passa por ajudar a digitalizar pequenas e médias empresas, aumentando a sua presença no digital, gerando mais resultados e conduzindo a uma maior confiança dos utilizadores.

“Mais Presença, Mais Resultados, Mais Confiança, nós somos Mais Digital.” Este é o mote!

O que esperas da área do ecommerce nos próximos anos?

Um forte crescimento e a solidificação deste modelo de negócio online, hoje em dia temos uma série de players no mercado que estão a fomentar esse crescimento e acima de tudo estão a aumentar a confiança neste mercado.

Sentes que esta área está a evoluir em Portugal?
Sem duvida, apesar dos Portugueses ainda terem muitas defesas quanto ao uso dos dados bancários em sites ou aplicações, com o aparecimento de empresas e serviços como a Uber Eats ou a Glovo essa desconfiança vai-se desvanecendo.
São compras de necessidade com um investimento relativamente baixo e muitas vezes com uma série de incentivos, e em caso de sucesso vão transmitir confiança para futuras compras.
Estes pequenos inputs transmitem segurança para quem compra online, diminuem o medo do uso dos dados bancários, contribuindo para o crescimento e solidificação do e-commerce.

Consideras que o ecommerce vai destruir as lojas físicas? Ou podem ser aliadas no negócio?
Não, basta olhar para o exemplo da Amazon e da Wallmart, a Amazon conhecida por todos como o exlibris do E-Commerce, é nativa digital, e está neste momento a criar Lojas Físicas totalmente disruptivas, onde não existem caixas nem dinheiro físico.
Por outro lado temos o grande player do Retalho a Wallmart que começou offline e está neste momento a fazer o caminho inverso ao da Amazon, apostanto cada vez mais no online.
As lojas físicas vão ter sempre um papel importante, o desafio está em criar um ecossistema onde as lojas físicas e as lojas online trabalhem em sintonia e de forma integrada criando uma experiência verdadeiramente 360.

Tens alguma curiosidade, alguma experiência ou compra online que te marcou enquanto consumidor?
Tenho uma experiência muito interessante no IKEA, comprei uma cama castanha e assim que a cama chegou a casa comecei a abrir as caixas e a montar tudo como indicava no manual, já com a cabeceira e os pés da cama reparei que o corpo da cama era branco e não castanho.
Quando liguei para o IKEA a expor a situação salientei que já não tinha as caixas e que já tinha inclusive algumas peças montadas, para espanto meu a resposta foi simples, rápida e eficaz, “Traga a fatura e o produto consigo e nós devolvemos sem problema”, dito e feito e ainda hoje defendo a marca com unhas e dentes pela facilidade e clareza no processo de devolução.

Quais são os teus objetivos profissionais?
Quero fazer uma carreira no e-commerce, quero experimentar novas áreas de negócio entender diferentes mercados e comportamentos.
Gosto tudo o que gira á volta do digital e do comércio online, a componente analítica os inputs que podemos retirar dos dados que recolhemos, a perceção e identificação de tendências e comportamentos com base em números são o meu combustível.

Se tivesses de dar um conselho a um empreendedor ou alguém que queira iniciar um projecto de ecommerce, qual seria o teu conselho e opinião?
Acima de tudo muita resiliência, é uma área que exige muito trabalho, muitas horas “perdidas” a aprender a estudar e a compreender o negócio.
Há uma enorme concorrência, desde pequenos sites a lojas de facebook e instagram e temos de trabalhar arduamente para sobressairmos no meio de tanto barulho digital.
Procurar a nossa proposta de valor, o que é que o nosso produto/serviço tem de diferente e evidenciarmo-nos do resto.